terça-feira, 9 de outubro de 2012

Anis estrelado (Tamiflu), o Funcho e a Erva-doce (Pimpinella)

O Anis Estrelado nasce numa árvore da mesma família da Magnólia,que pode alcançar cinco metros de altura e é a partir do seu “fruto” acastanhado em forma de estrela que se produz o, até agora, mais potente fármaco capaz de travar a propagação da terrível estirpe do vírus da gripe aviária – H5N1. A Planta existia apenas em quatro províncias chinesas, mas a sua cultura generalizou – se no mundo ocidental quando chegou a Europa pela mão dos ingleses. Conhecido por ter um efeito antisséptico, anti – inflamatório, calmante, digestivo e diurético, o Anis Estrelado foi utilizado durante milhares de anos na Ásia Ocidental como tempero para alguns pratos e mais tarde como tratamento medicinal, e em recentes pesquisas apontam como a nova arma contra a Gripe H1N1 (Gripe Suína). Classificação científica
Reino: Plantae, Divisão: Magnoliophyta, Classe: Magnoliopsida, Ordem: Apiales, Família: Apiaceae Gênero: Pimpinella, Espécie: P. anisum, Nome binomial - Pimpinella anisum L. Anis-Estrelado

Essa árvore atinge cerca de oito metros de altura, e nos seus primeiros seis anos de vida não dá frutos, mas pode continuar a produzi-los durante um século. Às suas flores amarelas seguem-se os frutos castanhos, que se abrem quando maduros em forma de estrela. Cada ponta da estrela contém uma reluzente semente castanha, que é menos aromática do que a vagem. O anis-estrelado é muito usado nas cozinhas chinesas e vietnamita, e é um ingrediente essencial na mistura chinesa chamada “cinco especiarias”. Seu aroma é muito semelhante ao da erva-doce, pois contém o mesmo óleo, o anetol, mas é levemente mais forte. Esta especiaria se mantém fresca indefinidamente se for guardada em recipiente fechado hermeticamente e protegido da luz.

Tradicionalmente, os japoneses queimavam o anis-estrelado para aromatizar os ambientes como incenso. Medicinalmente, é um excelente diurético, e sua infusão alivia as dores de garganta.

Seu óleo é utilizado para aromatizar licores como o anis e o anisete. Vai muito bem com carne de porco, pato ou galinha, vegetais variados, pratos de peixe e mariscos.
Dicionário Gastronômico Ervas & Especiarias com suas Receitas
Nelusko Linguanotto Neto
http://www.chefonline.com.br/ervas

O Anis (Pimpinella anisum) é uma planta da família das Apiaceae. Anteriormente chamada Umbelliferae cuja fruta em forma de semente (também chamada semente de anis) é usada em confeitaria e em licores de sabor anis (por exemplo, o Ouzo). A fruta consiste em dois pistilos unidos e tem um sabor aromático forte e um odor poderoso. A semente de anis também é usada em alguns caris e pratos com frutos do mar, contra mal hálito e como ajudante digestivo. Todas as partes que ficam acima do solo de uma planta jovem de anis também são comidas como vegetal. Os caules se parecem com os do aipo na textura e são mais suave no sabor do que os frutos.

Por destilação, da fruta extrai-se um óleo volátil de anis, o qual é útil no tratamento de flatulência e cólicas infantis. Pode ser dada como Aqua Anisi, em doses de uma onça ou mais, ou como Spiritus Anisi, em doses de 5-20 gotas. O constituinte primário do óleo (até 90%) é a anetol, C10H12O ou C6H4[1.4](OCH3)(CH:CH.CH3.) Também contem methil cavicol, aldehido anísico, ácido anísico e terpene.

O anis estrela Chinês também contem anetol, mas botanicamente não está relacionado ao anis. Por causa de seu gosto e aroma similar, veio recentemente a ser usado no ocidente como um substituto (barato) do anis em confeitaria e também na produção de licor. De acordo com o Dicionário Bíblico Easton de 1897, o termo anis na Bíblia Cristã (Mateus 23:23) refere-se à erva conhecida hoje como salsa (Anethum' ou Peucedanum graveolens). É recomendado para cólicas, colites, flatulência, prisão de ventre e facilita a digestão e dispepsia.

O funcho, também conhecido por erva-doce, anis-doce, maratro ou finóquio, ou fiuncho é o nome vernáculo dado à espécie herbácea Foeniculum vulgare Mill. (sinónimo taxonómico de Anethum foeniculum L. e de Foeniculum officinale L.) uma umbelífera fortemente aromática comestível utilizada em culinária, em perfumaria e como aromatizante no fabrico de bebidas espirituosas e planta medicinal. O funcho é nativo da bacia do Mediterrâneo, com variedades na Macaronésia e no Médio Oriente, onde ocorre no estado silvestre, mas é hoje cultivado, sob diversas formas varietais, em todas as regiões temperadas e subtropicais.

O funcho é uma planta herbácea perene, de caules eretos múltiplos, com até dois metros de altura (mas em geral com menos de 80 centímetros), de cor verde intenso, por vezes glauco, tornando-se azulada quando em locais expostos à secura e a intensa radiação solar. As folhas são longas (até 40 cm) e delgadas, finamente dissecadas, terminando em segmentos filiformes a aciculares (com cerca de 0,5 mm de diâmetro), muito flexíveis, mas que, quando expostos à secura, endurecem exteriormente para evitar a perda de água. Produz inflorescências terminais compostas, umbeliformes, com 5 a 15 cm de diâmetro, contendo 20 a 50 flores pediceladas inseridas num único ponto do ápice da inflorescência, sobre pedúnculos curtos. As flores são minúsculas têm de 2 a 5 mm de diâmetro, amarelo a amarelo-esverdeadas. O fruto é uma semente seca, fortemente aromática, ovóide, de 4 a 9 mm de comprimento e 2 a 4 mm de largura, achatada e com entalhes longitudinais simétricos em ambos os lados. A raiz é rizomatosa, esbranquiçada e muito suculenta, armazenado grande quantidade de água. O cheiro e sabor característicos (em geral designados por "anis" ou "erva-doce") resultam da presença de anetol, um composto fortemente aromatizante.

A maioria dos botânicos tende a considerar o Foeniculum vulgare como a única espécie legítima do género, considerando as outras espécies descritas como meras formas. Assim, apesar das grandes diferenças morfológicas, de teor em óleos essenciais e de sabor e cheiro, as espécies antes descritas neste género parecem ser meras subespécies ou variedades de F. vulgare.

Dadas a presenças de óleos essenciais, a planta é muito resistente ao ataque de insectos herbívoros, sendo contudo hospedeira de alguns lepidópteros especificamente adaptados às suas características bioquímicas, incluindo formas larvais da Amphipyra tragopoginis e da Papilio zelicaon (que apenas se alimentam de umbelíferas). Dado o seu cheiro a anis, a planta é por vezes confundida com a Pimpinella anisum (o anis), uma espécie aparentada, mas muito diferente.

É frequentemente utilizada em pequenas quantidades na cozinha mediterrânica como planta aromatizante, podendo os seus caules, particularmente os das variedades menos ricas em óleos essenciais, serem consumidos em fresco como parte de saladas. Pode também ser incorporado em sopas, em particular sopas destinadas a serem consumidas frias. Um dos pratos típicos dos Açores é uma sopa de feijão e inhame com folhas e caules tenros de funcho. É frequente o seu uso como aromatizante em molhos, conservas de vegetais, curtumes e outros preparados semelhantes. Usada em baixas concentrações dá um aroma e sabor discretos, semelhante ao mentolado, mas bastante mais suave e doce. As sementes secas são utilizadas em chás e tisanas e como aromatizante em licores (como o anis) e bebidas alcoólicas destiladas (como a aquavit). Na Índia e China as sementes moídas são utilizadas para a produção de condimentos e especiarias, recebendo a designação de saunf ou moti saunf. As suas raízes são consideradas como tendo propriedades diuréticas, sendo por esta razão comercializadas pelas ervanárias. O chá de semente de funcho é utilizado para reduzir os gases intestinais, incluindo na primeira infância e em crianças lactentes. O anetol, o composto que lhe dá o cheiro e sabor característicos, é considerado estimulante das funções digestivas e carminativo, podendo ter propriedades coleríticas.

Em concentrações elevadas os óleos essenciais do funcho apresentam atividade inseticida, apresentando atividade neurotóxica. Este óleo faz parte da farmacopeia europeia. Em perfumaria os óleos essenciais do funcho são utilizados para perfumar pastas dentífricas, shampôs e sabonetes. Pelas suas características aromáticas e pelos usos medicinais do anetol, o funcho tem sido utilizado desde a antiguidade, sendo já cultivado no Antigo Egipto. Na Grécia Antiga era designado por μάραθον (marathon), estando na origem do nome Maratona (que afinal, em português seria Funchal), o local da mítica batalha de Maratona travada em 490 a.C. entre gregos e persas. A mitologia grega diz que Prometeu usou um talo de funcho para roubar fogo dos deuses. Existem múltiplas variedades cultivadas, a maior parte das quais selecionadas pela doçura e baixa concentração de anetol, o que permite o consumo em saladas. Outros cultivares são seleccionados para a obtenção de grandes concentrações de óleos essenciais, sendo utilizados para perfumaria e para a produção de condimentos. Uma variedade de funcho, originária da Macaronésia e designada por F. vulgare azoricum (Mill.) Thell., caracterizada por caules mais suculentos e doces e menor concentração de óleos essenciais, o que os torna facilmente comestível em fresco, é hoje comercializada com a designação varietal de Florence. Esta forma da planta é espontânea nos Açores e na Madeira. A sua abundância está na origem do nome da cidade do Funchal, a atual capital madeirense.

Anis-estrelado Illicium stellatum

O chá realizado com o anis-estrelado, além de saboroso e aromático, age como estimulante gastrintestinal no combate a azias, eólicas estomacais e catarros crônicos.
Anis-estrelado llicium verum

Sua origem é tida como chinesa. Lord Cavendish foi o primeiro a conhecê-la na China, no século XIX, e quem o introduziu na Europa. Descrição O anis-estrelado é uma árvore que pode chegar a até 10 metros de altura produzindo pequenas flores amarelas. Suas folhas são largas e de verde muito intenso, e o que mais caracteriza esta planta são seus frutos na forma de estrela, sendo que no interior de cada “ponta” existe uma semente. Esta árvore parece com o pé de eucalipto, e pode produzir até 4.000 frutos por colheita. Possui coloração marrom e forte aroma característico, sendo muito mais forte que a erva-doce ou o funcho. A parte utilizada do vegetal são os frutos com suas sementes. Muito rico em óleos essenciais, são utilizados principalmente como aromatizantes. Confusão de nomes Existe uma grande confusão com o nome "anis".

No Brasil refere-se ao anis estrelado, só que no resto do mundo o termo "anis" ou "anis-verde" é empregado quando se refere à planta Pimpinella anisum, que aqui no Brasil é chamada de "erva-doce". O anis-estrelado não é muito empregado no Brasil, provavelmente devido ao preço um tanto quanto salgado. Não é cultivado em nosso território, sendo importado principalmente da Europa.

Propriedades: É muito parecida com as ações da “erva-doce”, sendo muito empregado como digestivo e principalmente como carminativo, ou seja, facilita a eliminação de gases estomacais e intestinais, além de ser um excelente anti-espasmódico. É muito comum o chá para cólicas intestinais em recém-nascidos, mas deve-se tomar cuidado com os excessos, pois pode intoxicar as crianças. Outros usos Não temos muitas aplicações do anis-estrelado em nossa cultura, mas pode-se preparar um delicioso chá para ser tomado tanto quente quanto gelado. Pode-se ferver leite com alguns frutos do anis e empregar este leite na produção de bolachas, pães ou outros produtos. Usa-se também para a produção de licores ou outras bebidas alcóolicas. Os chineses utilizam apenas um fruto para temperar pedaços grande de carne, e acreditam que se cozidos juntamente com os frutos do mar evitariam possíveis envenenamentos. É muito empregado pela indústria farmacêutica, de bebidas e perfumaria. O nome Illicium vem do radical latino illicere, que quer dizer “atrair e seduzir”, daí vem o termo em português aliciar. O nome foi dado devido ao aroma forte e agradável que exala, realmente seduzindo as pessoas.

Indicações: Eliminação de gases estomacais e intestinais, cólicas intestinais em recém-nascidos. Digestivo, carminativo, anti-espasmódico.

Principios Ativo: Óleos essenciais
Toxicologia: Não encontrada até o momento, porêm nenhuma planta deve ser consumida em excesso.

http://celtic.bighost.com.br/ervas/anis-estrelado.html

ERVA DOCE Pimpinella anisum

Esta planta atinge até 35 cm de altura. Suas folhas são verdes, sendo as inferiores orbiculadas, as médias penadas, e as superiores inteiras ou bipartidas. As flores apresentam-se em buquês brancos e produzem frutos ovóides, ligeiramente alongados. Aroma e sabor quente e marcadamente doce.
ORIGEM - Egito.

COMPOSIÇÃO
- rica em celulose
- cálcio
- fósforo
- vitaminas do complexo B

PROPRIEDADES
- expectorante
- diurética
- digestiva
- coagulante

FUNÇÕES TERAPÊUTICAS
- alivia cólicas causadas por gases
- combate diarréia e vómitos

Em 1500 ªC. já era usada em alimentos e bebidas, além de ser aproveitada por suas propriedades medicinais. Os romanos usavam a erva doce no preparo de um bolo que era servido ao final dos banquetes. Na Antiguidade, esta erva era tão valiosa, que a Inglaterra pagava impostos sobre a sua importação. O período de safra vai de julho a outubro.

PARTES USADAS
Caule – xarope e licores
Raiz – (infusão) para efeitos diuréticos
Sementes – (infusão) alivia cólicas causadas por gases, combate diarréia e vômitos
Folhas – usadas como condimento e infusão

FORMAS EM QUE SE ENCONTRA: Fresca, desidratada ou em pó.

COMO CONSERVAR: Fresca – lave bem as folhas e coloque-as num recipiente fechado ou em sacos plásticos, e guarde-as na geladeira por três a quatro dias.

Seca ou desidratada – guarde-a em vidros fechados (de preferência escuros), em local protegido da luminosidade e umidade.

CURIOSIDADES MISTICAS: Se incenso é eficaz contra “olho gordo”, funciona como afrodisíaco, promove harmonia, paz e prosperidade.

USO GERAL: Utilizada na culinária e na cosmética. È usada na forma de sabonete para combater rugas, e para limpeza de pele, por suas propriedades de remover impurezas.

USO INDICADO EM ALIMENTOS
- carnes
- biscoitos
- bolos
- chás
- saladas
- arroz
- massas
- cremes com leite

http://www.sensibilidadeesabor.com.br/ervadoce.html

Medicinal Erva Doce:
Digestiva, diurética, carminativa e expectorante.O infuso das sementes facilita a digestão, alivia flatulência e cólicas intestinais, acalma excitação nervosa e insônia. Age contra a cólica de recém nascidos. As avós recomendavam que as lactantes tomassem em jejum para aumentar o leite.

Cosmética: A erva doce é utilizada na cosmética pelas suas propriedades de remover impuresas, sob forma de sabonetes, suavizando a pele. Tem também efeito anti-rugas.
Uso doméstico: Para o cansaço ocular, faça uma decocção com 2 colheres de sopa de sementes em 250 ml de água e ferva por 3 minutos. Deixe amornar, embeba duas gazes limpas e coloque nas pálpebras.

Uso culinário: Muito utilizada sob forma de semente para temperar biscoitos, pães e bolos (o de fubá já é tradicional). Vai também em tortas de frutas, maçãs assadas, caldas de doces e canapés. As sementes também temperam e dão aroma às carnes, linguiças na grelha, salames.

Suas folhas dão um toque especial às saladas e feijão branco. Os europeus costumam por um galhinho com folhas nos picles e conservas. As sementes maceradas lentamente na aguardente fazem o licor anisete. No quentão, tira o gosto ardido do picles, suavizando o sabor.

Uso mágico: Uma das ervas usadas como proteção.
Aromaterapia: O óleo essencial tem largo emprego nas indústrias alimentícias e de cosmética. No ambiente, a essência atua como aromatizante tranquilizador.

Nomes Populares
Erva doce, pimpinela, anis
Nome Científico
Pimpinella anisum / Família das Umbelíferas

Origem
Já era cultivada pelos egípcios em 1500 AC para alimento, bebida e remédio. Em outros tempos nativa no Mediterrâneo e Ásia Menor. Também cultivada no México.

Partes usadas
Sementes, folhas e bulbos

Lendas e Mitos
Os romanos faziam com a pimpinela o MUSTACEUS, um bolo que era servido ao final dos banquetes (foi o precursor dos bolos de noiva condimentados); era tão preciosa na Antiguidade, que a Inglaterra pagava impostos sobre sua importação.

Planta anual, de 30 a 35 cms de altura. Folhas verdes, as inferiores orbiculadas, as médias são penadas e as superiores são inteiras ou tripartidas. Flores em buquês brancos, com frutos ovóides, um pouco alongados. O plantio é de setembro a novembro. Gosta de clima ameno. Quando o objetivo do cultivo for as sementes, colher no verão, quando estiverem amarronzadas. As folhas podem ser colhidas à partir dos 15 cms.

O Tamiflu até 1996 era propriedade da Gilead Sciences inc., empresa que vendeu a patente aos laboratórios Roche. E na ocasiao o presidente desta empresa era o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Donald Rumsfeld, que até hoje permanece um dos principais acionistas. Em 2005, quando começou a se falar da gripe aviária, a Gilead desejou reaver o Tamiflu alegando que a Roche não se esforçava o suficiente para fabricá-lo e comercializá-lo. Ambas as empresas negociaram e constituiram dois comites, um para coordenar o fabrico mundial do fármaco e decidir a autorização a terceiros para fabricá-lo e outro comitée para a comercialização de vendas estacionais nos mercados mais importantes, inclusive Estados Unidos. Além disso a Roche pagou à Gilead regalias retroativas no valor de 62,5 milhões de dólares. Roche ficou com 90% da produção mundial de anis estrelado, árvore que cresce fundamentalmente na China e que se encontra também em Laos e Malásia, e que faz a base do Tamiflu. O cenário estava preparado, bastava agora encontrar pouco a pouco aves contagiadas pelo vírus em diferentes países, uma ave aqui, outra acolá. Isso, para criar alarme mundial com ajuda de cientistas e políticos pouco escrupulosos ou de escassa capacidade intelectual e dos grandes meios de comunicação que não se caracterizam por investigar o que publicam ou emitem, e na maioria das vezes estao comprometidos com os interesses destas corporações! O nome de Donald Rumsfeld aparece ainda unido a uma vacinação massiva contra a suposta gripe do cerdo durante a administração de Gerald Ford na década de 70. Resultando em mais de 50 mortes devido aos efeitos secundários. Também a FDA aprovou o aspartame quando Rumsfeld esteve no gabinete de Ronald Reagan, apesar de estudos durante dez anos anteriores não ter apontado dados que validassem o medicamento. E sabe-se agora que aspartame é prejudicial. Detalhe: Rumsfeld foi presidente do laboratório fabricante de aspartame. Também esteve envolvido no negócio das vacinas anti anthrax, vacinaram milhares de soldados norte-americanos, e o anthrax nunca foi uma ameaça! Lembram dos alardes anthrax na TV?

Ainda esteve envolvido na vacinação massiva de soldados com vistide, fármaco que supostamente evitaria os efeitos secundários da vacina contra a viruela. O vistide foi também um produto dos laboratórios Gilead Sciences inc.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Cártamo (Carthamus Tinctorius) e técnica de Meditação c/ Neale Donald Walsch

O óleo de Cártamo é um anti-oxidante natural que possui propriedades que podem acelerar o metabolismo das gorduras, auxiliando assim, no controle da obesidade. Estudos indicaram que esse óleo contém substâncias que atuam obrigando o organismo a usar a gordura acumulada como combustível contribuindo para uma maior eliminação de gordura. Isso acontece porque seus nutrientes conseguem inibir a ação de uma enzima específica (LPL- Lípase Lipoproteica). A enzima LPL tem como função transferir a gordura presente na corrente sanguínea para o interior das células adiposas, responsáveis por armazenar a gordura corporal e que compõem o tecido adiposo do corpo humano. Quanto maior e mais intensa a atividade desta enzima maior quantidade de gordura é armazenada dentro das células adiposas e, como conseqüência, a pessoa engorda. Portanto, os nutrientes do óleo de Cártamo, tem a capacidade de bloquear da ação da LPL, o que obriga o organismo a utilizar o estoque de gordura já existente como fonte de energia gerando a chamada lipólise, que é a queima de gordura. Óleo de Cártamo (Carthamus tinctorius L. é altamente ramificada, herbáceas, cardo-como anuais, geralmente com muitos espinhos acentuada nas folhas. As plantas são de 30 e 150 cm de altura com flores globulares cabeças e comumente, brilhante amarelo, laranja ou vermelho flores que florescem no mês de Julho. Cada ramo normalmente irá ter a partir de uma flor de cinco cabeças contendo 15 a 20 sementes por cabeça. Cártamo tem uma forte raiz ereta que lhe permite prosperar em climas secos, mas a planta é muito suscetível à geada lesão de tronco alongamento à maturidade. Usos Tradicionalmente, a cultura foi cultivada por suas sementes, e utilizados para coloração e aromatização alimentos, de medicamentos, e que torna vermelho (carthamin) e corantes amarelo, especialmente antes de mais barato anilina corantes tornou disponível. Durante os últimos cinquenta anos ou mais, a planta foi cultivada principalmente para os óleos vegetais extraídos de suas sementes. Em Abril de 2007, foi comunicado que geneticamente modificados cártamo, foi criado para criar insulina. Óleo de Cártamo é insípido e incolor, e nutricionalmente similares ao óleo de girassol. É usado principalmente como um óleo de cozinha, em molho para salada, e para a produção de margarina. Também pode ser tomado como um suplemento nutricional. INCI nomenclatura é Carthamus tinctorius. Cártamo flores são por vezes utilizados na cozinha como um substituto mais barato para o açafrão, e são, portanto, por vezes referido como "açafrão bastardo". Cártamo sementes também é muito comumente utilizado como uma alternativa ao girassol sementes em birdfeeders, como esquilos não gostam do sabor dela. A empresa farmacêutica SemBioSys está usando cártamo plantas transgênicas para produzir a insulina humana como a demanda mundial para a hormona cresce. Cártamo-derrived insulina humana está actualmente no PI / II ensaios sobre cobaias humanas. Phillip Stephan, SemBioSys Genetics Inc, produto boletim junho 2008. Existem dois tipos de cártamo que produzem diferentes tipos de petróleo: uma alta em monoinsaturados ácidos graxos (ácido oléico) e os outros em alta poliinsaturados ácidos graxos (ácido linoléico). Atualmente, o mercado petrolífero é predominante para a antiga, que é menor do que nos satura azeite, por exemplo. Cártamo óleo também é utilizado na pintura no local de óleo de linhaça, principalmente com o branco, pois não têm a tonalidade amarela que possui óleo de linhaça. Lana é uma cepa de cártamo que cresce no sudoeste do Estados Unidos, mais notavelmente Arizona e Novo México. Óleo de Cártamo - A palavra carthamus deriva do hebraico kartami, que significa tingir. Provavelmente originário da Ásia e África, é conhecido desde a Antiguidade como fonte de um corante amarelo utilizado em culinária (daí a designação de ‘açafrão bastardo’) e outro vermelho, a 'cartamina', ainda hoje muito utilizado no Sudoeste Asiático para tingir a seda. Sendo atualmente uma cultura importante na Índia, é também cultivado um pouco por todo o mundo. É uma planta oleaginosa, anual, altamente adaptada ás condições de semi-aridez, que já era cultivada na Ásia antes da Era Cristã. Os povos antigos cultivavam-na para extraírem de suas flores tintas vermelha e amarelas, que eram usadas para tingir tecidos de algodão e seda, e como corantes para uso culinário. A cartamina, substância alaranjada e insolúvel em água, é o corante mais importante extraído das flores desta planta. Atualmente, o cártamo é cultivado como planta oleaginosa ,sendo os principais produtores mundiais a China, Egito, Estados Unidos, Índia, México e Rússia. As sementes desta espécie possuem elevados teores de óleos (35 a 40%) de ótima qualidade, tanto para consumo humano, como para uso industrial. O óleo de cártamo encera altos teores de ácidos linoléico (70%) e oléico (20%) e baixa porcentagem de ácido linolênico (3%) Uma das características químicas mais importantes deste óleo é a sua poli-insaturação, a qual condiciona a presença de baixo conteúdo de colesterol, que é uma substância nociva ao organismo humano . Como óleo industrial, ele oferece potencialidades para muitos usos, sendo empregado na fabricação de tintas, esmaltes, sabões etc. o índice de iodo é de 135, o que o classifica no grupo dos ácidos graxos semi-secativos. A torta das sementes, que é um subproduto da indústria de óleo, possui cerca de 35% de proteína e é muito usada na alimentação de ruminantes. A produção média de sementes por hectare situa-se em torno de uma a três toneladas de acordo com a tecnologia empregada. É uma planta da família Compositae, que apresenta caule ereto, ramificado, com 80 cm a 150 cm de altura, de ramos pubescentes ou glabros com ciclo vegetativo em torno de 140 dias. O sistema radicular é bastante desenvolvido, pivotante, e atingindo 100 cm de profundidade.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Abacate ou Avocado

O abacate, abacado ou pêra-de-advogado é o fruto comestível do abacateiro, que é uma árvore da família da laureáceas, nativa do México ou da América do Sul (Persea americana), hoje extensamente cultivada - incluindo nas Ilhas Canárias e na ilha da Madeira - e muito popular no Brasil. São conhecidas mais de 500 variedades, de três origens diferentes: a guatemalteca, a antilhana e a mexicana.

A parte comestível é a polpa verde-amarelada, de consistência mole, que envolve a grande semente. Tem mais de 30% de gorduras (extraída comercialmente da semente, como do mesocarpo do fruto e de aplicação cosmética), é rica em açúcares e vitaminas e possui um dos mais elevados teores de proteínas dentre as frutas.

É consumido isoladamente ou em saladas temperadas com molhos, como no guacamole, prato da culinária mexicana, ou como sobremesa, batido com leite e açúcar no Brasil, ou com açúcar e limão, em Moçambique. O abacate era amplamente cultivado antes da conquista espanhola, mas só mereceu a atenção dos horticultores no século XIX. O nome nahuatl (asteca) do fruto é ahuacatl (o qual significa testículo - analogia com a sua forma), que originou, em espanhol, a palavra aguacate.

O abacate é um fruto arrendondado ou piriforme, de peso médio de 500 a 1.500g. Sua casca varia, em colorido, do verde ao vermelho-escuro, passando pelo pardo, violáceo ou negro. As suas duas principais variedades são a Strong (cor verde) e a Hass (cor roxa). A árvore, o abacateiro, atinge até 15 ou 20 m e cresce melhor em climas quentes.

Quem ainda não prestou a devida atenção ao avocado, o simpático abacatezinho que concentra grande quantidade de vitaminas, minerais, proteínas e fibras não sabe o que está perdendo. Afinal, ele é uma boa opção para trazer de volta, ao prato dos adeptos do cardápio saudável, um alimento saboroso e versátil, o abacate, de que nós brasileiros gostamos tanto que, além de usá-lo nas saladas como o resto do mundo, ainda costumávamos adotá-lo nas versões doce, como a meia "cumbuca" recheada com açúcar ou batido no liquidificador com leite e açúcar numa das mais tradicionais "vitaminas" das lanchonetes nacionais. O avocado (a palavra designa abacate em inglês, mas neste caso trata-se do abacate californiano - o abacate comum é natural do México) possui cinco vezes mais nutrientes do que o abacate original, o que faz dele um dos principais alimentos funcionais, aqueles que ajudam a manter a saúde física e estética do corpo.

E ainda é um pouco menos calórico: 145 calorias a cada 100 gramas de polpa, contra 168 do outro, além de ser rico em vitaminas antioxidantes como A, C e E e conter três vezes mais vitamina B6 que a banana.

O avocato apresenta em média 20% de gordura, das quais 65,65% é mono-insaturada ou seja auxilia na redução do LDL, o mal colesterol e aumenta no HDL, o "bom colesterol" .

No Brasil é cultivado na Fazenda Jaguacy, de Bauru (SP) e exportado para vários países da Europa. O objetivo dos produtores agora é que os brasileiros tenham mais intimidade com ele.

Para isso, promove durante um mês a partir do próximo dia 15, no restaurante Veríssimo, em São Paulo, o Festival do Avocado 2007.

Participam nove chefs de cozinha, Entre os destaques, tartar de salmão com guacamole de avocado do chef Marcos Livi proprietário do Veríssimo; os rolinhos de avocado thai do chef Marcos Sodré, do Sawasdee, de Búzios, um dos melhores tailandeses do País, e o lagostin grelhado ao molho de pimenta verde com avocado corado do chef Antonino Malaquias do Grande Hotel Senac Campos do Jordão.

Fonte: Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 10 Será realizado nos dias 24 e 25 de agosto o I Seminário do Avocado no Brasil.

O evento acontece no Auditório do Sincomércio, em Bauru/SP. Avocado é o nome dado a duas variedades de abacate produzidas no Brasil: Hass e Fuerte.

O seminário irá discutir as áreas produtivas, comerciais e mercadológicas da fruta no país.

O evento é destinado a produtores de avocado, acadêmicos e pesquisadores.

As inscrições - gratuitas - podem ser feitas até o dia 15 de agosto no site http://br.geocities.com/seminarioavocado/

Também é possível inscrever trabalhos (Projetos Científicos), até o dia 15 de agosto. Para consultar as normas de envio: http://br.geocities.com/seminarioavocado/

Fonte: Grupo Cultivar Apesar de calórico, a fruta ajuda, por incrível que pareça, a reduzir o nível de açúcar no sangue. Uma hora de treino intenso no tatame e os atletas chegam a eliminar 700 calorias. Além da perda de energia, eles também sofrem desgastes nos músculos, ossos e articulações. A reposição é feita com vitamina de abacate. Essa receita vi no canal SALADA BRASILEIRA que uma queridíssima moça ensinou, ela mora no Japão e lá as moças usam essa máscara MARAVILHOSA nos cabelos. Modifiquei alguns ingredientes pois achei que ficou com um melhor resultado no meu cabelo que é rebelde. - Meio abacate grande - 1/2 Colher de Sopa de Azeite de Oliva (também pode-se usar óleo de Argan) - 1 Colher de Mel (Não usei no vídeo pois não tinha mel em casa, rs) - 1 Ovo (Opcional - Eu não adicionei pois tenho um pouco de nojo, mas vc pode adicionar, não fica cheiro pois depois você vai lavar com shampoo). - 3 Colheres de Sopa de Creme/Condicionador (Eu usei um da TRESemmé, mas indico o Seda Liso e Sedoso ou o Dove Óleo Tratamento ou o Novex Óleo de Argan)

sábado, 15 de setembro de 2012

Cravo-da-Índia (Eugenia Caryophillata) - Sem açúcar com afeto

O cravo-da-índia é rico em óleos essenciais, sobretudo eugenol, que tem ação analgésica e anticéptica. Também tem ação estomacal e bucal. Na Antiga Europa, as dores de dente eram aliviadas ao mastigar o cravo-da-índia. Devido à sua ação analgésica na forma de chá, ajuda a aliviar dores causadas por gripe e resfriado. O chá de cravo-da-índia com erva-doce é delicioso e ótimo para a saúde. Tintura de cravo-da-índia - Coloque 50 gramas de cravo em um litro de álcool etílico ou de qualquer bebida muito alcoólica, como, aguardente, rum e brande. Deixe repousar. Dentro de uma semana já está pronta para usar. Não precisa coar e dura anos. A tintura de cravo serve para dor de dente, inflamação na garganta, no estômago, no aparelho digestivo e para afecções da pele, inclusive micoses. Para prisão de ventre, friccione a barriga, em movimentos circulares no sentido horário, com 4 ou 5 gotas de tintura de cravo misturada com um pouco de óleo vegetal. A tintura também pode ser usada, junto com creme, bálsamo ou óleo vegetal, para massagear áreas doloridas. A dosagem interna é 1 ou 2 gotas em uma colher de sopa cheia de água 2 ou 3 vezes ao dia até desaparecerem os sintomas. ÓLEO DE CRAVO-DA-ÍNDIA - Indicado para unhas fracas, combate micoses de unha, frieira e manchas brancas nas costas. É antisséptico, antibiótico, antiviral, antifúngico, anti-inflamatório, antiparasitário e analgésico. É muito usado na odontologia como analgésico e antisséptico. Massageado na gengiva do bebê, alivia as dores da dentição. Para isso deve ser diluído em um pouco de água, pois sozinho pode causar queimadura na boca do neném. Receita de óleo de cravo-da-índia: 30 gramas de cravo-da-índia + 200 ml de óleo de oliva ou girassol. Misture tudo e cozinhe em banho-maria por uma hora. Deixe esfriar, coe e guarde em um vidro limpo e seco. Use esse óleo para massagear as unhas. Extrato de cravo-da-índia – Acabar com fungos e traças. Dissolvido em álcool ou água, pode ser usado como aromatizante ambiental. Misturado com água, funciona como antisséptico bucal. Uma colher de chá do extrato em um copo de água serve para coceira na vagina. Basta enxaguar o local 2 vezes ao dia, pela manhã e antes de dormir. Como fazer: 100 gramas de cravo-da-índia + Um litro de álcool de cereais. Misture tudo e coloque em um vidro escuro. Deixe guardado por 5 meses, coe e recoloque no vidro escuro. O açúcar é uma coisa tão refinada que vai direto para o sangue e causa uma série de alterações físicas e mentais no consumidor. O açúcar dá uma certa bobeira mental, cientificamente explicada pelo encontro da insulina com um aminoácido chamado triptofano que é rapidamente convertido no cérebro em serotonina, um tranqüilizante natural. Madame está nervosa? Dá água com açúcar pra ela que passa. Ou não é Na Índia, alguns séculos antes de Cristo, os médicos usavam o açúcar como remédio. Foi só ali perto do ano 600 que os Persas bolaram a rapadura, daí começou o tráfico. Na Europa não tinha açúcar, era importado e custava muito caro e só os nobres podiam comprar: Nada de drogas para os pobres. Em 1532, Martin Afonso de Souza instalou em São Vicente o primeiro engenho de açúcar no Brasil, movido a escravos, é claro; só 20 milhões de africanos dançaram nessa empreitada. Em 1665, a Inglaterra já importava 8 milhões de quilos por ano. Nesse mesmo ano, a peste bubônica matou 30.000 pessoas em Londres, pessoas que tinham acesso ao açúcar, porque no campo, entre os pobres ninguém morreu. Será que ninguém desconfiou da relação da nova doença e o espantoso consumo de açúcar? Já que o açúcar predispõe o corpo a infecções por causa da acidez exagerada que ele provoca. Desconfiaram, mas ficaram calados, pois seria um crime de lesa-majestade insinuar que a Coroa enriquecia às custas de um vício pernicioso. E ai ficou por isso mesmo e está assim até hoje. É UMA VERGONHA, QUE ATUALMENTE AS AUTORIDADES DE SAÚDE PERMITAM ISSO. Por volta de 1600, as autoridade inglesas sabendo que o açúcar boa coisa não era, proibiram severamente o uso do açúcar para apressar a fermentação de cerveja, É CLARO, ELES A BEBIAM! EM 1792, os melhores cientistas da Europa fundaram uma sociedade anti-sacarina. Em 1912, o Dr. Robert Boesler, dentista norte americano escrevia que a moderna fabricação do açúcar nos trouxe doenças inteiramente novas. O açúcar comercial nada mais é do que um ácido cristalizado. No passado, com seu alto preço, só uma minoria nobre podia utilizá-lo, contudo, agora o seu altíssimo consumo está causando a degeneração nos seres humanos e até em animais. Por exemplo: beija-flores que utilizam bebedouros de água com açúcar. Mas... e o açúcar mascavo orgânico, o mel, também fazem mal? Um exemplo bem simples para podermos entender: Um certo dia, andando pela mata, uma pessoa descobriu a cana-de-açúcar: Nossa, que delícia! e levou para sua casa. Bom... o mano conseguiu chupar 3 paus de cana em meia hora e ficou com a boca cansada. Ele devia ter ingerido aproximadamente 350 ml de um líquido contendo: água, sacarose, sais minerais, vitaminas, fibras, etc... Beleza, ele conseguiu digerir numa boa. Seu pâncreas nem reclamou. E agora, todo mundo chupa cana? Passado algum tempo, eis que: 'Pô mano, chupar cana num é mole não... num dá pra espremer o bagaço'? E inventaram a garapa. QUE MARAVILHA! Opa! péra aí... mas já era tarde, o mano começou a tomar garapa que nem água - 500 ml a 1 litro em 10 minutos. Aí o Sr. Pâncreas começou a reclamar porque estava fazendo horas extras todos os dias e insulina no mano! Um certo dia, alguém resolveu ferver a garapa, e saiu o melado de cana, muito mais concentrado: 10 litros de garapa virou um copo de melado. Que delicia! Vamos fazer um bolo?... Que nada, vai puro mesmo! E aí o mano virou o copo pra dentro. Imaginando a proporção: 10 litros de garapa dentro de um copo ingeridos em 10 minutos. É, gente... o pâncreas que se cuide! Para agravar a situação, os persas bolaram a rapadura, ainda mais concentrada, e logo após, as benditas refinações. Aí ferrou o jegue! Surge então uma doença nova e mortal: a DIABETES MELLITUS que fazia as pessoas eliminarem açúcar pela urina, ou seja, vazarem pelo ladrão. Inicia-se a era das novas doenças a degeneração da raça humana causada pelo mau uso do açúcar, que causa um STRESS absurdo no organismo e o pâncreas para de produzir insulina. Não bastando ainda, causa defeitos genéticos. Por exemplo: hoje, a cada 5 crianças que nascem, uma será diabética. Quando você decidir ter um filho, junte mais 4 casais e joguem palitinho para sortear qual terá o filho diabético. Hoje existem 6,5 milhões de diabéticos no Brasil. Morrem 300.000 por ano nos EUA. Portanto não importa se é açúcar orgânico, mascavo ou mel. O problema é a super concentração de açúcar, que quando ingerida, vai depressa demais para a corrente sangüínea, queimando todas as etapas da digestão, fazendo subir o nível da glicose no sangue, aí o pâncreas é obrigado a produzir uma quantidade extra de insulina. A insulina vai lá e abaixa o nível, aí dá vontade de comer mais açúcar. Sobe o nível e o pâncreas solta insulina, abaixa o nível... E assim por diante, até chegar uma hora que o pâncreas não entende mais nada. Você come um bombom seu pâncreas solta insulina para caixa inteira; é a HIPOGLICEMIA. Entre jovens e adultos, três a cada cinco tem a doença - estágio pré-diabético. SERÁ VOCÊ O PRÓXIMO? Como se não bastasse tanto malefício, a acidez causada pela ingestão concentrada de açúcar predispõe o corpo às infecções (como a conjuntivite) e também a vírus e bactérias. Se você acha isso que leu agora uma questão de opinião, então continue como está!... Ou então pare enquanto ainda é tempo, por amor a Si PRÓPRIO, a Deus e à Natureza! MAS NÃO PARE POR AQUI! Informe-se, discuta, reflita, passe para frente, descubra soluções, alternativas, pesquise! Afinal, fomos 'viciados' há centenas de anos, por pessoas inocentes que só queriam dar um gostinho mais doce para aquela vida tão amarga e preconceituosa dos nossos antepassados, que no final, por ganância e falta de escrúpulos de uma minoria, nos foi omitida a verdade sobre tão doce e perigosa droga. Sônia Hirsch

Magia da MIRRA (Myrrha commifora abissynica)

Quando entramos no departamento elemental do balsamodendro, de onde se extrai a mirra, vemos essas felizes crianças elementais em pleno éden, vestidas com túnicas e capas vermelhas. A mirra pertence ao ouro espiritual e associa-se com o incenso e com o ouro do espírito como pleroma inefável do Nirvana. A ciência da mirra é a ciência da morte. Há que se morrer para viver. Ha que se perder tudo para tudo ganhar. Há que se morrer para o mundo para se viver para Deus. Esta é a magia elemental da mirra. A essência monádica desse departamento elemental da natureza esta intimamente relacionada com o mundo do íntimo. O ouro espiritual esta dentro do imenso crisol do Nirvana. As mônadas particulares que constituem as essências monádicas de cada departamento elemental da natureza estão dotadas de veículos de densidades diferentes, ainda que não possamos dizer que estejam individualizadas porque ainda não possuem mente individual. Porém, estilo dotadas de inteligência cósmica e de inocência, poder e felicidade. Os devas ou anjos encarregados do manejo dessas essências monádicas revestidas de veículos durante o mahavântara são seus protetores, instrutores e fazem o trabalho espiritual dos grupos. Estão encarregados de impelir a evolução cósmica dessas essências monádicas revestidas de veículos cósmicos e conhecidas como elementais da natureza. As essências monádicas começam a demonstrar a sua individualidade própria quando estão passando pela evolução do reino vegetal da natureza. Não poderíamos dizer: a mônada de um pinheiro se encarnou num homem, mas poderíamos dizer: a mônada de tal homem esteve encarnada em um pinheiro antes de ter se individualizado como mônada humana. As essências monádicas têm que evoluir nos reinos mineral, vegetal e animal antes de sua individualização. Não podemos dizer que a mônada de Descartes esteve encarnada em uma árvore porque a mônada humana é uma mônada individualizada e humana, diferente da mônada vegetal. Porém, antes mônada e correto afirmar que a mônada de Descartes, da sua individualização, foi mônada animal, vegetal e mônada mineral. Entendemos por mônada o íntimo de todo elemental mineral, vegetal ou animal e o íntimo do ser humano compõe-se de Atma-Budhi-Manas. As mônadas dos elementais da natureza sao seres totalmente impessoais. Os elementais da mirra são crianças de encantadora beleza que possuem a felicidade do Nirvana. Agora, nossos discípulos entenderão porque se ofereceu ouro, incenso e mirra ao Menino Deus de Belém. O Arhat que aprende a manipular as essências monádicas de todos os departamentos elementais da natureza aprende a manejar a vida universal. As essências monádicas da grande vida fluem e refluem incessantemente com os grandes ritmos do fogo universal. Todas essas essências monádicas residem nas profundezas da consciência cósmica. Temos de aprender a manipulá-las para trabalhar nesta grande fabrica da natureza. As esferas superlativas da consciência cósmica foram classificadas pelos vedantinos na seguinte ordem: ATALA - Este é o primeiro plano emanado diretamente do Absoluto. A esse plano pertencem as hierarquias Dhiani Budas, cujo estado é o de parasamadhi ou Dharmakaya. Já não lhes cabe progresso algum, pois são entidades perfeitas que apenas aguardam a noite cósmica para entrar no Absoluto. VITALA - Este é o segundo plano vedantino. Neste loka estão os budas celestes que se dizem emanados dos sete Dhyani Buddhas. SUTALA - Este é o terceiro loka ou plano de consciência: o plano do som. A esse plano chegou Gautama neste mundo. Esse é o plano das hierarquias dos Kummaras e Agnishvattas. TALATALA é o quarto loka dos vedantinos. RASATALA é o quinto, MAHATALA é o sexto e PATALA, o sétimo. ATALA é o mundo da Névoa de Fogo, o mundo do íntimo. VITALA é o mundo da consciência. SUTALA é o mundo da vontade. TALATALA é o mundo da mente. RASATALA, o mundo astral, MAHATALA, o mundo etérico e PATALA é o mundo físico. Em ATALA estilo as essências monádicas cintilando como chispas virginais. Em VITALA está o sagrado fogo de Nosso Senhor de Jesus Cristo. Em SUTALA estão os elementais do éter universal. Em TALATALA, os elementais do fogo. Em RASATALA estão os elementais do ar. Em MAHATALA estão os elementais aquáticos e em PATALA, os homens e os elementais animais, assim como os gnomos. Esta é a classificação das velhas escrituras Védicas. Os sete planos cósmicos estilo povoados de criaturas elementais. As criaturas elementais descem da regido de ATALA até o mundo físico para evoluir através dos remos mineral, vegetal, animal e humano. A vida desce plano por plano até o mundo físico e depois sobe novamente às regiões inefáveis do Nirvana. Tudo vai e vem. Tudo flui e reflui. Tudo sobe e desce. Tudo vem de ATALA e volta para ATALA a fim de submergir finalmente na felicidade inefável do Absoluto. A mirra pertence à região de ATALA, de onde a vida desce para depois voltar a subir. A mirra e a magia do grande Alaya do mundo. Os sete tatwas da natureza estão povoados de criaturas elementais e essas criaturas elementais estão encarnadas nas plantas. Quem aprende a manipular a magia vegetal consegue manejar os tatwas. Veja-se o livro MEDICINA OCULTA do mesmo autor. O tatwa akasha é o paraíso das chispas virginais das substâncías monádicas do mundo do íntimo. O tatwa vayu é o elemento das criaturas que se agitam nos ares. O tatwa tejas é o elemento das salamandras do fogo. O tatwa apas é o elemento em que vivem as criaturas das águas. O tatwa pritvi é o elemento em que vivem os gnomos da terra. Essas criaturas inocentes estão encarnadas nas plantas e quem conhece a magia das plantas pode manejar os tatwas do universo. Com as plantas podemos acalmar as tempestades, soltar os furacões, desencadear tormentas e fazer chover fogo tal qual o fez o profeta Elias. A mirra relaciona-se como akasha que vive e palpita em tudo que foi criado. Tenho MIRRA plantada pelos jardins frontais e laterais da casa, e a estou espalhando por toda a chácara. Se você, meu Amigo visitante puder ter também em sua casa, ou apartamento (em vasos) plante-a! o astral destes pequeninos Seres elementais que a rodeiam irão alegrar, encantar e perfumar nossas vidas, mesmo que AINDA não possamos vê-los, podemos sentí-los. Estela Maris. Planta medicinal também conhecida como mirra-arábica e incenso. Esta planta medicinal possui propriedades antimicrobianas e adstringentes, que atuam de forma eficaz no tratamento de infecções na pele e na boca. Propriedades da Mirra Antimicrobianas; adstringente; antiinflamatória; anti-séptica; aromática; cicatrizante; desodorante; desinfetante; anestésica; rejuvenescedora. Para que serve a Mirra Fortalecer gengivas; pele envelhecida ou enrugada; acnes; aftas; úlceras; alergias de pele. Como usar a Mirra Chá: Adicionar 1/4 colher (chá) de extrato de mirra e 1/4 de sal marinho e 125 ml de água. Em água fervente. Realizar bochecho uma vez ao dia. Este tratamento é ideal para manter a boca livre de bactérias e tonificar o tecido gengival. Esta planta medicinal também pode ser encontrada em lojas de produtos naturais em forma de óleo, incenso e repelente para insetos. Efeitos colaterais da Mirra: Não foram encontrados efeitos colaterais. Contraindicações da Mirra: Mulheres grávidas; Mulheres em fase de lactação.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Bebida Milagrosa (Miss Bumbum)

Se o teu objetivo e ter uma excelente saúde e um corpo cheio de vitalidade; ...tome nota! Esta bebida milagrosa já existia há muito tempo já que originalmente os médicos naturistas de China a recomendavam aos doentes. Conhecemo-la graças ao Sr. Seto, que não é uma celebridade publica, é um homem normal como tu e eu, que comprovou os resultados desta bebida, visto que se curou da sua doença. O Sr. Seto tinha Cancro do pulmão e comenta que esta bebida lhe foi recomendada por um famoso ervanário da China. Ele tomou esta bebida diligentemente durante 3 meses e agora a sua saúde estabeleceu-se assombrosamente, tanto assim, que por isso quis torná-lo publico para dar a conhecer as maravilhas de uma alimentação sã. É um alimento ao alcance de todos com um custo ínfimo. E é por isso que este Sr Seto quer chamar a atenção de quem padece de algum tipo de cancro ou qualquer outra doença com esta bebida milagrosa; (que protege o corpo do Cancro e de outras doenças) para que se curem. Esta bebida milagrosa, segundo ele "trava" o desenvolvimento das células cancerígenas. De que é feita? A formula é muito simples, necessita somente: 1 Beterraba 2 Cenouras 1 Maçã É tudo o que se precisa para fazer o sumo. Instruções: Lave todas as frutas anteriormente mencionadas, corte-as com a pele, em bocados pequenos, ponha-os no liquidificador mexa e de imediato beba o sumo. Ou então ponha os ingredientes na centrífuga. Se quiser, pode juntar um pouco de lima ou limão, para lhe dar um sabor mais refrescante. Quando se deve beber? De manhã em jejum. Uma Hora DEPOIS recomenda-se tomar o pequeno almoço. Para conseguir resultados rápidos Tome esta bebida 2 vezes ao dia: Um copo pela manhã outro antes das 5 da tarde. Por favor; tome a bebida imediatamente depois de a ter triturado os ingredientes. NUNCA se irá arrepender! Este milagre da alimentação será efetivo para as seguintes doenças: 1)Para Prevenir o Cancro e Travar o crescimento das células cancerígenas. 2)Para Prevenir doenças; a)do fígado b)dos rins c)do pâncreas d)da úlcera também. 3)Para Fortalecer e prevenir: a)os pulmões b)um ataque cardíaco e a tensão arterial alta. 4)Para Fortalecer o sistema imunológico. 5)É boa para: a)a vista b)eliminar olhos vermelhos e cansados ​​ou secura nos olhos 6)Ajudar a eliminar a dor de: a)esforço (treino intensivo) físico b)dor muscular. 7)Para Desintoxicar; a)ajuda a defecar b)eliminar a obstipação por isso fará com que a pele fique sã e radiante. c)Ajuda no problema de acne. 8)Para Melhorar e eliminar: a)o mau hálito devido à má digestão b)a infeção de garganta. 9)Para Diminuir as dores menstruais. 10)Para Ajudar a tirar a febre do feno. Não há absolutamente nenhum efeito secundário. É de alto valor nutritivo. Muito eficaz se necessita perder peso. Vai dar-se conta que o seu sistema imunológico melhorou (devido há maçã) depois de seguir a rotina por umas 2 semanas. POR FAVOR: FAÇA CIRCULAR ESTA MAGNIFICA RECEITA ENTRE A SUA FAMILIA E AMIGOS CONTRIBUINDO PARA SALVAR VIDAS! A melhor parte da vida de uma pessoa está nas suas amizades. O Ser nasce imaculadamente puro, mas a sociedade o corrompe. Um corpo sem GLÓBULOS BRANCOS saudáveis é o mesmo que um País sem forças armadas. Sem defesa, pode ser invadido e/ou destruído por agentes externos a qualquer momento. "A batalha é quase sempre ganha na mente. É pela renovação de nossa mente que nosso caráter e comportamento se transformam." John Stott Rosana Ferreira, a Miss Bumbum 2011 é a convidada do Agora é Tarde. Rosna falou sobre como é ter o bumbum mais bonito do Brasil, dos cuidados que toma com o corpo e ainda desfilou no palco do Agora é Tarde. Programa Agora É Tarde na íntegra exibido no dia 11jan2012. Entrevistada: Rosana Ferreira e Marcelo Jeneci

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Abelhas e o MEL como Ativador dos Chackras

Amplamente indicado como alimento do corpo físico, o mel age também sobre os corpos sutis do homem. O mel está para o adulto assim como o leite materno está para a criança; é um alimento de alto valor energético e propriedades medicinais. O mel vivifica, acalma, tem ação antibiótica, é cicatrizante, previne doenças e pode ser usado até como cosmético. Se os benefícios desse alimento/remédio para o corpo físico já são mais do que conhecidos, pouco se sabe sobre os efeitos nos corpos sutis do homem. Mas, se levarmos em conta esses dois fatores acerca da produção do mel, podemos ter uma idéia de o quanto essa substância é especial: suas produtoras, as abelhas, são seres de Vênus (na visão MAIA assim como o milho também o é). Ao promover a vinda dessas maravilhosas criaturinhas para a Terra, a civilização do mais adiantado planeta do sistema solar presenteou nossa humanidade com um poderoso recurso energético e de sutilização; sua matéria-prima é o néctar de criaturas também especiais, as flores. Sabe-se que a essência das flores tem propriedades sutilizantes, e parte dessa energia é transferida para o mel. Há quem inclusive considere o mel como um floral natural. Essa correlação não é de todo adequada porque a essência floral atua de uma forma diferente nos corpos extrafísicos do homem. Já o mel, "como floral, age no corpo metabólico sutil, ou seja, no duplo etérico ou corpo etéreo, bem próximo do corpo físico". O mel mexe no metabolismo de vocês, terráqueos, esquentando o corpo etérico e, conseqüentemente também o físico, pois tudo que se passa no corpo etérico reproduz-se no físico. Seguem-se as informações sobre os tipos de mel e suas propriedades como ativadores dos chakras: Mel de eucalipto - reconhecidamente, é benéfico para a parte respiratória do corpo físico e favorece o chakra laríngeo. Mas, considerando-se que as raízes do eucalipto penetram profundamente na terra, o mel a partir dele produzido é recomendado também para ativar o chakra básico. Mel de flores - como criaturas sutis que são, as flores dão um mel muito indicado para os chakras superiores, que estão relacionados com a parte espiritual do homem: cardíaco, frontal e coronário. Mel de frutas - estimula as áreas vitais e relacionadas com as funções digestivas, sendo indicado para os chakras esplenico e do plexo solar. Mel de jataí - trata-se de um mel selecionado e de poderes mais concentrados, pois é produzido por uma espécie de abelha aperfeiçoada e trazida para a Terra bem depois das primeiras espécies. É indicado para os chakras básico e frontal. Modos de usar: Ingerir uma ou duas colheres de chá por dia é o suficiente para os adultos. O mel também pode ser passado no corpo, na região do chakra que se quer estimular. Recomenda-se massagear o local com mel e deixá-lo agir por um período de 30 minutos a 1 hora. Concomitantemente com a massagem, deve-se também ingerir uma colher de chá para promover a ação externa e interna da substância. Mel "solarizado" Para potencializar o efeito do mel, deve-se energizá-lo com a vibração das cores correspondentes a cada chakra. Para isso, basta colocar a substância num frasco de vidro da cor desejada e deixá-lo sob o sol por 15 minutos. Depois disso, o frasco pode ser guardado. O mel assim preparado deve ser usado apenas uma vez por semana para ingestão e massagem, conforme o processo já explicado. Enquanto você aguarda o tempo de ação da substância sobre a pele, fazer uma mentalização para o chakra que se está tratando. Só para lembrar, a correspondência entre chakras e cores é a seguinte: Básico - vermelho Sexual - laranja Plexo solar - amarelo Cardíaco – verde e rosa Laríngeo - azul celeste Frontal - azul índigo Coronário - violeta

ARGAN Spinosa - Marrocos

O óleo de argan é retirado de uma árvore que cresce somente na região sudoeste de Marrocos, a Argan Spinosa. O óleo é produzido por meio da pressão das amêndoas colhidas e dos frutos secos da árvores. O uso desse produto contribui com a saúde dos cabelos ajudando a manter os fios hidratados e com brilho e a diminuir o desgaste dos fios. Mas não são apenas os cabelos que se beneficiam com o uso do óleo de argan para tratar a pele, ela também fica mais bonita e protegida com o produto. O óleo de argan contém vitamina E, que combina ácidos graxos com ácidos oleicos e linoleicos. Argânia, de onde se retira o óleo de argan. Como passar o óleo de argan Para tratamento da pele com óleo de argan, o ideal é aplicá-lo uma hora antes do banho. São diversos os benefícios do óleo de argan para pele. O produto tem, por exemplo, um efeito regenerador que incentiva a regeneração da pele, oferece maior elasticidade e tem um efeitoantienvelhecimento e antirrugas. O óleo promove a oxigenação da pele e faz com que ela fique muito hidratada e sem excesso de oleosidade. Benefícios do óleo de argan O óleo de argan também ajuda a diminuir a irritação da pele, favorecendo a renovação das células. Pode ser usada também contra doenças da pele como a psoríase, a varicela, a acne e a eczema. Marcas de estiramento derivadas da gravidez e de queimaduras também podem ser minimizadas com a utilização do óleo. Quem sofre com unhas fracas, que quebram facilmente também pode recorrer ao óleo para deixá-las mais nutridas e fortes. Quando usado com essa função, o ideal é que o óleo seja usado com suco de limão e antes de dormir. Especialistas já confirmaram por meio de estudos e análises químicas que o óleo de Argan possui propriedades dermatológicas e que pode até mesmo ser usado em lesões de menor gravidade. Os preços dos produtos com óleo de argan são variados e é possível comprar frascos com o produto com menos de R$ 30. Com tantos benefícios, vale a pena investir nesse recurso natural para ficar com a pele, o cabelo e as unhas mais bonitas. A nova “arma” usada pelos grandes salões de beleza para deixar os cabelos mais hidratados, macios e sedosos é o óleo de argan. Oriundo do Marrocos e produzido em Israel, ele é rico em vitaminas A, D e E e, portanto, tem efeito antioxidante e regenerativo sobre os fios. Sendo assim, veja algumas dicas e sugestões de como usar o óleo de argan. Para Revitalizar o Couro Cabeludo Se esse é o seu objetivo, faça a pré-sublimação com o óleo de argan. Para tanto, aplique o xampu de costume nos fios e, depois, use o óleo levemente aquecido em banho-maria. Então, faça uma massagem relaxante no couro cabeludo para em seguida, lavar o cabelo normalmente. Os resultados aparecerão em poucas aplicações. Nutrição e Leveza Caso os seus cabelos estejam sem brilho, maciez e beleza, faça o processo de intrassublimação com o óleo de argan. Para isso, prepare uma mistura com a sua máscara de tratamento com umacolher de sopa do óleo de argan levemente aquecido em banho-maria. Lave os fios com o seu xampu de costume e, em seguida, aplique a mistura da máscara com o óleo, deixando-a agir por 5 minutos. Enxágue bem as madeixas e aplique um finalizador. Pontas Reparadas, Cabelos Macios e sem Frizz Para obter esses resultados, aplique o óleo de argan como finalizador após a escova ou a chapinha. Desse modo, você não terá problemas com o cabelo rebelde nunca mais. Se você tem cabelos ressecados, leia também: Hidratação para Cabelos Secos. Antes da Tintura - A maioria dos produtos químicos utilizados para colorir os cabelos provoca malefícios a eles. Portanto, antes de pintar os seus fios, passe uma tampinha cheia do produto nas madeixas para então cobri-las com a tintura. O óleo de argan foi uma grande descoberta da indústria de cosméticos e, por isso, tem sido usado pelos melhores especialistas em cabelos do mundo. Entretanto, ele não pode ser utilizado como proteção contra os raios ultravioletas. Sendo assim, mesmo aplicando o óleo de argan nos fios, não se esqueça do protetor solar capilar, que garantirá a beleza das suas madeixas mesmo nos dias mais quentes do ano. O óleo de argan tem sido muito discutido entre os demais óleos de tratamento para os cabelos. Ele é extraído da semente dos frutos de uma árvore chamada Argânia. O produto proporciona regeneração dos cabelos, além de deixá-los sedosos, macios, maleáveis, brilhoso e com os fios protegidos. Assim, esse óleo garante que o cabelo fique hidratado e com aspecto muito saudável. Conheça alguns mitos e verdades sobre o óleo de argan. Mitos e verdades 1. O óleo de argan realmente funciona. Verdade. Trata-se de um ótimo nutriente, com ação hidratante e condicionante. Essa fruta contém muitos princípios ativos que são necessários para o tratamento capilar. 2. O óleo de argan só poder ser aplicado após o uso do secador. Mito. O produto pode ser aplicado no cabelo antes da exposição ao calor. Ele possui silicone em sua composição, proporcionando proteção térmica dos fios. 3. Podem ser utilizados todos os dias nos cabelos. Verdade. É um elemento rico em antioxidantes que protegem contra os radicais livres. Além disso, possuem uma grande quantidade de gorduras que ajudam a reconstituir a barreira natural dos cabelos. Também são ricos em vitaminas dos tipos A, D e E, ajudando no fortalecimento dos fios, proporcionando nutrição e brilho. 4. O uso de óleos não é indicado para cabelos finos. Mito. Pode ser utilizado em todos os tipos de cabelo. Entretanto, para os cabelos mais finos existem óleos especiais e a recomendação é o uso do óleo a base de marula, pois é um produto mais leve. 5. Existe diferença entre o óleo de marula e o de argan. Verdade. Esses dois óleos têm a mesma finalidade, que é tratar e dar brilho aos cabelos. Entretanto, o óleo de argan é indicado para cabelos mais grossos ou normais. Já o óleo a base de marula é indicado para cabelos mais finos, pois não pesam e deixam os fios mais leves. 6. O óleo de argan dura mais que outros tipos de hidratação. Verdade. É uma hidratação muito poderosa, e ao contrário de outros tratamentos pode durar mais de 30 lavagens. Esse óleo é rapidamente absorvido pelos fios e não deixa nenhum tipo de resíduo gorduroso. Os óleos são excelentes opções de tratamento para os cabelos. Quando usados em quantidades corretas proporcionam maiores resultados de beleza aos fios. Afinal, o que toda mulher deseja é ter um cabelo macio, hidratado e saudável. Por isso, o óleo de argan é uma ótima opção de tratamento.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Banana + 100 tipos (Nanica e Prata)

Nunca coloque sua banana na geladeira! Isso é interessante. Depois de ler isto, você nunca vai olhar para uma banana da mesma maneira novamente. A banana contém três açúcares naturais - sacarose, frutose e glicose, combinados com fibra. A banana dá uma instantânea e substancial elevação da energia. Pesquisas provam que apenas duas bananas fornecem energia suficiente para um treino de 90 minutos extenuantes. Não é à toa que a banana é a fruta número um dos maiores atletas do mundo. Mas energia não é a única forma de uma banana poder nos ajudar a manter a forma. Pode também nos ajudar a curar ou prevenir um grande número de doenças.Tornando-se uma obrigação adicionar a banana à nossa dieta diária. Depressão: De acordo com recente pesquisa realizada pela MIND, entre pessoas que sofrem de depressão, as pessoas se sentiam melhores após ter comido uma banana. Isto porque a banana contém triptofano, um tipo de proteína que o corpo converte em seratonina, reconhecida por relaxar, melhorar o seu humor e, geralmente, fazem você se sentir mais feliz. TPM Esqueça as pílulas - coma uma banana. A vitamina B6 regula os níveis de glicose no sangue, que podem afetar seu humor. Anemia: contendo muito ferro, bananas estimulam a produção de hemoglobina no sangue e ajudam nos casos de anemia. Pressão Arterial: Este fruto tropical é muito rico em potássio, mas reduzido em sódio, tornando-a perfeita para combater a pressão alta. Tanto é assim, que a Food and Drug Administration nos Estados Unidos, permitiu que a indústria da banana oficialmente informasse ao publico, que ao comer essa fruta,ela poderá reduzir o risco de pressão alta e infarto. Cérebro: 200 estudantes da escola Twickenham na Inglaterra, tiveram ajuda nos exames este ano, comendo bananas no café da manhã, lanche e almoço em uma tentativa de elevar sua capacidade mental. A pesquisa mostrou que o elevado teor de potássio na banana, pode ajudar a aprendizagem, tornando os alunos mais alertas. Constipação: com elevado teor de fibra, incluir bananas na dieta pode ajudar a normalizar as funções intestinais, ajudando a superar o problema sem recorrer a laxantes. Ressaca: uma das formas mais rápidas de curar uma ressaca é fazer uma vitamina de banana, adoçado com mel. A banana acalma o estômago e, com a ajuda do mel aumenta os níveis de açúcar no sangue, enquanto o leite suaviza e reidrata o sistema. Azia: elas têm efeito antiácido natural no organismo, por isso, se você sofre de azia, experimente comer uma banana para aliviar. Enjôo matinal: comer uma banana entre as refeições ajuda a manter os níveis de açúcar no sangue elevado e evita as náuseas. Picadas de mosquito: antes do creme para picada de inseto, experimente esfregar a zona afectada com a parte interna da casca da banana. Muitas pessoas acham excelentes para reduzir o inchaço e a irritação. Nervos: Bananas são ricas em vitaminas do complexo B que ajuda a acalmar o sistema nervoso. Excesso de peso e no trabalho? Estudos do Instituto de Psicologia na Áustria mostram que a pressão no trabalho leva à excessiva ingestão de alimentos como chocolate e biscoitos. Estudando 5000 pacientes em hospitais, pesquisadores concluíram que os mais obesos eram os que mais sofriam de pressão alta e ataques de ansiedade. O relatório desse estudo, concluiu que: para evitar que comamos biscoitos e doces qdo estamos ansiosos,então é necessario que se coma alimentos ricos em carboidratos a cada duas horas para manter níveis estáveis de acúcar no sangue,e é aí que entra a nossa querida banana. Úlceras: A banana é usada na dieta diária contra desordens intestinais pela sua textura macia e suavidade. É a única fruta crua que pode ser comida sem desgaste em casos de úlcera crônica. Também neutraliza a acidez e reduz a irritação, protegendo as paredes do estômago. Controle de temperatura: Muitas culturas vêem a banana como fruta 'refrescante', que pode reduzir tanto a temperatura física como emocional de mulheres grávidas. Na Tailândia, por exemplo, as grávidas comem bananas para os bebês nascerem com temperatura baixa. Seasonal Affective Disorder (SAD): a banana auxilia os que sofrem SAD, porque contêm a vitamina B6 e Triptofano, que nos acalma e nos faz ficar bem humorados. Fumar e Uso do Tabaco: As bananas podem ajudar as pessoas que tentam deixar de fumar. Vitaminas - A, B6 e B12, assim como o potássio e magnésio, ajudam o corpo a recuperar dos efeitos da retirada da nicotina. Stress: O potássio é um mineral vital, que ajuda a normalizar os batimentos cardíacos, levando oxigênio ao cérebro e regula o equilíbrio de água no corpo. Quando estamos estressados, nossa taxa metabólica se eleva, reduzindo os níveis de potássio que podem ser reequilibrado com a ajuda da banana,que é rica em potássio. Enfarto: de acordo com pesquisa publicado no New England Journal of Medicine, comer bananas como parte de uma dieta regular, pode reduzir o risco de morte por enfarto em até 40%! Verrugas: os interessados ​​em alternativas naturais juram que se quiser eliminar verrugas, pegar um pedaço de casca de banana e colocá-lo sobre a verruga, com o lado amarelo para fora. Segure cuidadosamente a casca no local com esparadrapo! Assim, a banana é um remédio natural para muitos males. Quando você compará-lo com uma maçã, tem quatro vezes mais proteínas, duas vezes mais carboidratos, três vezes mais fósforo, cinco vezes mais vitamina A e ferro e o dobro das outras vitaminas e minerais. Também é rica em potássio e é um dos alimentos mais valiosos p'ra nossa saúde. Então talvez seja hora de mudar essa frase em ingles,tão conhecida: 1 apple (maça) a day, keep the doctor away, e que nós traduzindo deveríamos usar: "Uma banana (é uma das poucas palavras com o significado de fruta na língua portuguesa e inglesa) por dia mantém o doutor sem freguesia!" Bananas devem ser a razão pela qual os macacos são tão felizes o tempo todo! Vou acrescentar uma dica aqui; quer um brilho rápido nos sapatos? Pegue a parte de DENTRO da casca da banana e esfregue diretamente sobre o sapato passe após, um pano seco. Fruto incrível! A banana é o fruto (ou melhor: uma pseudobaga) da bananeira, uma planta herbácea vivaz acaule (e não uma "árvore", apesar do seu porte) da família Musaceae (género Musa - além do género Ensete, que produz as chamadas "falsas bananas"). As bananas constituem o quarto produto alimentar mais produzido no mundo, a seguir ao arroz, trigo e milho. São cultivadas em 130 países. São originárias do sudeste da Ásia, sendo atualmente cultivadas em praticamente todas as regiões tropicais do planeta. Vulgarmente, inclusive para efeitos comerciais, o termo "banana" refere-se às frutas de polpa macia e doce que podem ser consumidas cruas. Contudo, existem variedades cultivares, de polpa mais rija e de casca mais firme e verde, geralmente designadas por plátanos, banana-pão ou plantains, que são consumidas cozinhadas (fritas, cozidas ou assadas), constituindo o alimento base de muitas populações de regiões tropicais. A maioria das bananas para exportação são do primeiro tipo, ainda que apenas 10 a 15% da produção mundial seja para exportação, sendo os EUA e a União Europeia as principais potências importadoras. As bananas formam-se em cachos na parte superior dos "pseudocaules" que nascem de um verdadeiro caule subterrâneo (rizoma ou cormo) que chega a ter uma longevidade de 15 anos ou mais. Depois da maturação e colheita do cacho de bananas, o pseudocaule morre (ou é cortado), dando origem, posteriormente, a um novo pseudocaule. As pseudobagas formam-se em conjuntos (clusters) que se agrupam até cerca de vinte bananas em "pencas". Os cachos de bananas, pendentes na extremidade do falso caule da bananeira, podem ter 5 a 20 pencas e podem pesar de 30 a 50 kg. Cada banana pesa, em média, 125g, com uma composição de 75% de água e 25% de matéria seca. São uma fonte apreciável de vitamina A, vitamina C, fibras e potássio. Ainda que as espécies selvagens apresentem numerosas sementes, grandes e duras, praticamente todas as variedades utilizadas na alimentação humana não apresentam sementes, como fruto partenocárpico que é. Símbolo dos países tropicais e conhecida no mundo todo, a banana é a fruta mais popular do Brasil. A banana é uma fruta de alto valor nutritivo, energética e sem gorduras (fat-free), além de não conter colesterol (colesterol-free). Pode ser servida para pessoas de todas as idades, sendo muito comum nas papinhas de bebês (bay foods) à base de banana. Existem cerca de cem tipos de bananas plantadas no mundo todo, porém as mais cultivadas no Brasil são nanica e a prata. A banana nanica tem casca fina com cor amarelo-esverdeada, mesmo quando madura, apresentando polpa doce, macia e com aroma agradável. Já a prata, preferida por boa parte dos brasileiros, tem o fruto reto de até 15 cm de comprimento, de casca bem amarela com pequenas manchas marrons, com cinco facetas e polpa menos doce que a da nanica. Além disso, é mais consistente, inclusive para fritar ou assar. A banana brasileira, devido ao clima e natureza favoráveis, é cultivada em grande parte do Brasil e pode ser encontrada e adquirida o ano todo. Tanto a banana nanica como a prata, além de serem ótimas para o consumo “in natura”, são recomendadas cozidas, fritas ou assadas, podendo ser usadas nos mais variados tipos de prato: salada de frutas, tortas, sorvetes e mingais. E ainda, no Brasil são servidas empanadas. Experimente! Como sobremesa ou como primeira refeição do dia, ficam excelentes amassadas com aveia e açúcar, farinhas enriquecidas ou chocolate em pó. Venha ao Brasil provar ou tente reproduzir esta forma de consumo. É uma delícia. Você pode encontrar nossas bananas em seu país de janeiro a dezembro e também aqui no Brasil, onde estamos prontos para recebê-los com alegria. A banana, principalmente a prata, dentro do contexto atual alimentar e nutricional, é uma fruta com características originais e peculiares. Energética, fácil de consumir e rapidamente digerida - em menos de duas horas -, a banana é recomendada para todas as idades. Para os bebês é um alimento privilegiado devido sua diversidade de nutrientes. É base de muitas formulações para crianças de primeira idade (baby foods). As crianças, de uma maneira geral, aceitam as bananas voluntariamente, podendo-se reforçar as merendas escolares, por exemplo. Para os esportistas são indicadas pela sua riqueza em glicídios (açúcares), vitaminas do grupo B, potássio e magnésio, elementos importantes para um bom desempenho muscular. Para os adultos ela pode isoladamente constituir ou complementar uma refeição rápida e agradável. Saudável, a banana pode auxiliar na manutenção das defesas imunológicas graças aos seus aportes de vitaminas C e B, em minerais e em oligo-elementos variados (zinco, cobre, manganês, selênio etc.). Como Escolher as Banana Escolha bananas com um bom aspecto e aroma característico e, se estive pré-embalados leia com atenção as instruções e a data de validade. Na hora da compra, prefira as de casca bem amarela com pequenas manchas marrons, com aspecto firme e sem partes moles ou machucadas. Caso não venha a ser consumida logo, dê preferência às que estão regularmente verdes, aguardando até amadurecerem. Para sua proteção o consumidor deve comprar produtos devidamente etiquetados com selos de marca e indicações nas lojas de varejo que permitam identificar o tipo de produto, sua origem, bem como os exportadores e importadores. As etiquetas são um meio privilegiado de comunicação das propriedades do produto com o consumidor. Como Manusear as Bananas As bananas devem ser manuseadas com cuidado, pois são sensíveis a choques e batidas, que provocam oxidações e manchas na casca principalmente dando um mau aspecto ao produto. Transporte a fruta com cuidado e não coloque outras compras ou objetos em cima. Compre apenas o necessário e consuma em poucos dias para evitar perdas de qualidade e ou deteriorações. Como guardar e manter as bananas em boas condições; A banana deve ser conservada em lugar fresco e seco, nunca na geladeira, pois perde o sabor e se deteriora com mais facilidade. As bananas são sensíveis ao frio e podem sofrer estragos a temperaturas abaixo de 13°C. O ideal para conservação da qualidade é mantê-las entre 15°C e 21°C, em lugares arejados. Temperaturas altas poderão acelerar a maturação a estágios não desejados rapidamente. Veja como fazer a desbrota da bananeira. Aprenda o conceito mãe-filha-neta e faça a desbrota correta do seu bananal. Obtenha maior produtividade fazendo a desbrota correta. Retirada de brotos em excesso. www.mundodabanana.com.br Este vídeo mostra que a bananeira oferece mais alimento além da banana. O coração da bananeira é rico em uma porção de vitaminas, sais minerais além de muita fibra que são necessárias para o sistema digestivo. Veja como aproveitar. Produzida na maioria dos países tropicais, a banana é uma das frutas mais consumidas no mundo, tendo o Brasil como o segundo maior produtor e primeiro consumidor mundial. As variedades mais difundidas no País são: Prata, Maçã, Terra e Nanica. A banana é considerada hoje uma das principais fontes de amido na dieta dos trópicos, onde é consumida normalmente cozida quando ainda verde. A análise da composição química comprova que a banana não é somente rica em carboidratos e energia, mas possui também elevadas proporções de minerais e vitaminas. A banana verde na forma cozida é apropriada ao preparo de subprodutos, como a farinha e a biomassa (polpa e/ou casca verde cozida e processada), devido ao seu alto conteúdo de amido presente na polpa e também nas fibras na casca. Outra vantagem para sua utilização, é a palatabilidade conferida pelo amido presente na banana verde, que é bastante superior ao das fibras provenientes e cereais integrais, permitindo sua aplicação nas mais diversas preparações doces e salgadas, que ficam ainda mais nutritivas.

História do ARROZ e o Sashimi

O arroz (constituído por sete espécies, Oryza barthii, Oryza glaberrima, Oryza latifolia, Oryza longistaminata, Oryza punctata, Oryza rufipogon e Oryza sativa) é uma planta da família das gramíneas que alimenta mais da metade da população humana do mundo. É a terceira maior cultura cerealífera do mundo, apenas ultrapassado pelo milho e trigo. É rico em hidratos de carbono. Para poder ser cultivado com sucesso, o arroz necessita de água em abundância, para manter a temperatura ambiente dentro de intervalos adequados, e, nos sistemas tradicionais, de mão-de-obra intensiva. Desenvolve-se bem mesmo em terrenos muito inclinados e é costume, nos países do sudeste asiático, encontrarem-se socalcos onde é cultivado. Em qualquer dos casos, a água mantém-se em constante movimento, embora circule a velocidade muito reduzida. Campos de arroz na ilha de Java, na Indonésia. Originário do Japão, onde é cultivado há pelo menos 7 mil anos, o arroz é presença marcante no quotidiano do povo asiático. Em muitas culturas do continente, é comum que uma mãe dê ao recém-nascido alguns grãos de arroz já mastigados, num ritual que significa sua chegada à vida. No Vietnã, o cereal está tão integrado à alma dos camponeses que muitos fazem questão de ser sepultados nos arrozais. Durante os enterros há farta distribuição de arroz, como muitas festas, cantos e danças. Os Hani do sul do Japão evitam fazer barulho quando estão nos campos, pois crêem que os espíritos dos arrozais se assustam facilmente e, ao fugirem, podem provocar a infertilidade da terra. Desde a época do Japão antigo, jogar arroz em recém-casados é um ato que representa votos de abundância ao novo casal; este costume passou depois ao Ocidente, sendo hoje muito comum em Portugal. A Paraíba é o maior produtor de arroz-vermelho, seguido de perto pelo Rio Grande do Norte, Pernambuco, Ceará, Bahia e Minas Gerais. O plantio é feito durante a estação chuvosa, nos baixos alagados. A mão-de-obra familiar é a mais usada pelos produtores no cultivo, o que contribui para baixar os custos. O primeiro colocado no ranking nacional é o município de Uruguaiana, com uma produção de 590.329 toneladas, equivalente a 5,1% da produção orizícola do País, superando o segundo colocado (Itaqui) em cerca de 132 mil toneladas. Uruguaiana também é apontada como maior produtora do grão na América Latina. A produção de arroz em Portugal começou a ser documentada nos primeiros anos do século XVIII. Embora se cultivasse muito antes nas regiões do Sul e como herança dos Muçulmanos, só a partir desta data houve registos da presença do cereal nas zonas limítrofes do estuário do Tejo, atualmente, a produção de arroz é feita apenas em 5 rios (Mira, Sado, Sorraia, Tejo e Mondego); a cultura mais a norte é impedida pelo frio. A produção de arroz ronda as 1 250 mil toneladas/ano. Portugal é o maior consumidor de arroz da Europa com valores superiores a 15 kg/capita/ano. O arroz dourado é uma variedade do Oryza sativa produzida por engenharia genética para que biossintetizasse o betacaroteno. Sashimi é uma iguaria da culinária japonesa que consiste em um bolo de arroz com molho no qual ele pode ser mergulhado (geralmente shoyu, pasta de wasabi, condimentos como gengibre fresco ralado ou ponzu), e guarnições simples como shiso e raiz de daikon fatiada. As dimensões variam de acordo com a espécie de peixe utilizado e o chef, porém costumam ter em torno de 2,5 cm de largura e 4 cm de comprimento, com 0,5 cm de espessura. A palavra sashimi significa "corpo furado", onde " = sashimi = sashi ("perfurado", "preso") e = mi ("corpo", "carne"), o que deve derivar da prática culinária de fincar o rabo e a barbatana do peixe às fatias de modo a identificá-lo. Outra possibilidade para o nome pode estar relacionada ao método tradicional de pesca; tradicionalmente, os peixes usados no sashimi são pescados individualmente, e assim que ele é apanhado a sua cabeça é perfurada com um espeto afiado - que o mata instantaneamente - e é colocado em meio ao gelo. Esta perfuração é chamada de processo Ike jime. Devido ao fato da carne do animal morto desta maneira conter uma quantidade mínima de ácido lático, encontrado em maior quantidade em animais que sofreram mortes lentas, ele permanecerá fresco por mais tempo no gelo. O termo sashimi já foi integrado ao português e demais idiomas ocidentais, e frequentemente é usado para se referir a outros alimentos preparados sem qualquer cozimento, além do prato japonês tradicional abordado neste artigo. Exemplos de sashimi menos comuns (mas não raros) são os itens vegetarianos, como yuba, e carnes vermelhas cruas, como carne bovina ou de cavalo. O sashimi é quase sempre o primeiro prato em uma refeição formal japonesa. Muitas pessoas acreditam que o sashimi, tradicionalmente considerado o melhor prato da culinária japonesa, deve ser saboreado antes dos outros pratos, para que o paladar não seja afetado. O sashimi frequentemente é o primeiro prato a ser servido em uma refeição formal japonesa, porém também pode ser o prato principal, apresentado com arroz e sopa de missô (missoshiro) (em recipientes separados). Muitos japoneses acreditam que o sashimi, tradicionalmente o prato mais refinado da culinária japonesa, deve ser consumido antes que outros sabores fortes afetem o paladar. Em termos culinários, o sashimi representa a apreciação cultural dos japoneses pela sutileza. Os peixes e frutos do mar fatiados que compõem os ingredientes principais costumam ser servidos sobre alguma guarnição; tipicamente, esta consiste de daikon, uma espécie de rabanete asiático, fatiado em tiras longas e finas, acompanhados por uma folha verde de shissô para cada fatia. A pasta de wasabi por vezes é misturada diretamente no shoyu (o que não é feito, geralmente, quando se consome o sushi); os puristas, no entanto, se opõem a esta prática de misturar o wasabi ao molho de soja, alegando que isto dilui o sabor picante do wasabi. Um dos motivos alegados para o consumo do wasabi junto com o sashimi (além do gari, gengibre em conserva), além do próprio sabor, é o de matar bactérias e parasitas que possam estar presentes na comida crua. Alguns dos ingredientes mais populares usados no sashimi são: Sake: Salmão Ika: Lula Ebi: Camarão cozido Maguro: Atum Saba: Cavalinha Aji: Carapau Tako: Polvo Toro: Atum gordo Hamachi: Olho-de-boi Fugu: Takifugu (espécie de baiacu) Hotate-gai: Vieira Alguns ingredientes do sashimi, como o polvo, são servidos após serem cozidos devido à sua textura peculiar. A maior parte, no entanto, é servida crua. Tataki ou "golpeado", "despedaçado" é um tipo de sashimi que é selado (frito rápidamente), por fora, deixando o seu interior cru. Ikezukuri, lit. "preparado vivo") é um método de preparar sashimi, mais difícil que os métodos tradicionais de sashimi devido à condição do ingrediente. Ele requer um peixe vivo ou um crustáceo como uma lagosta. Restaurantes de ikezukuri possuem um tanque do qual um peixe vivo é escolhido, às vezes no jantar. A carne é removida de um lado da espinha do peixe, cortado em fatias finas, e arranjado no peixe ainda vivo. O peixe é então colocado em seu prato na ordem que é cortado. Algumas vezes o peixe está vivo ou ligeiramente vivo ao final do jantar. A prática é banida na Austrália e na Alemanha, onde é visto como crueldade com os animais. Fugu é um sashimi preparado com o peixe baiacu (Fugu) que é venenoso por conter tetrodotoxina e pode levar a morte, por isso, no Japão, quem prepara o fugu precisa ter uma licença especial do governo. Como precisa de licença e ainda há o risco de morte é o mais raro e caro sashimi.

No You, It´s 4shared

Mais saborosos cogumelos

Olha a onda aiiii gente....

Olha a onda aiiii gente....
Seguindo rumo a 2012...